Vila Nova de Poiares

 

Registos do Passado
no Concelho de Vila Nova de Poiares
Clique para aumentar as imagens

As terras do concelho são povoadas desde meados do século IX. Terá sido em Vimieiro de Poiares que D. Afonso Henriques terá detido o enviado do Papa Honório II, obrigando-o a levantar a Bula de interdição lançada sobre o Reino. Reza a história que a 13 de Janeiro de 1898, El-Rei D. Carlos assinou o decreto régio que elevou Santo André de Poiares à categoria de concelho. No entanto, já muito antes Poiares era uma terra de passagem, cruzamento de grandes estradas romanas.

O nome tradicional destas terras era de Santo André de Poiares, até 1905, modificado para Vila Nova de Poiares na altura da elevação à categoria de Vila.

A Albergaria de Poiares constituía, então, ponto de encontro dos que seguiam para Braga ou Lisboa, Coimbra ou Roma. Desta antiquíssima Albergaria existe ainda uma pedra com inscrições e que, desde 1817, encabeça a porta da sacristia da Igreja Matriz de Santa Maria, em Arrifana. Esta igreja, construída no século XVII, encerra uma verdadeira preciosidade, um retábulo de talha dourada do início do século XVIII.

No concelho, outros templos são dignos de registo. No centro da vila a Igreja Paroquial, cujo patrono é Santo André, ostenta um edifício simples mas proporcionado, com uma fachada austera, datado de 1742. O seu interior é rico, apresentando peças do século XV, sendo de realce as esculturas em calcário de Santo André e a Senhora com o Menino, e em pedra de São Sebastião.

A ponte da Mucela sobre o Rio Alva, constitui outra das referências históricas de Vila Nova de Poiares. Esta ponte, de origem romana, foi atravessada por diversas ocasiões por D. Afonso Henriques, tendo sido reedificada, no século XIII, durante o reinado de D. Dinis.

Vale a pena subir ao alto de São Pedro Dias na Serra da Mucela e, junto ao dólmen - monumento megalítico, (Imagem reconstituída), onde se conserva ainda a Mamoa - tentar compreender o mistério que encerram as suas pedras, ao mesmo tempo que o murmúrio do vento nos traz as vozes dos nossos bravos que, em Setembro de 1810, se debateram contra as tropas napoleónicas sob o comando do General Wellington.

Do património arquitectónico fazem também parte: a Capela de Nossa Senhora das Necessidades e a Capela de Santo António em São Miguel de Poiares